quarta-feira, agosto 10, 2005

Prova de Teoria das Organizações




Assim como o individuo é influenciado pelo meio em que vive, desde o seu nascimento, absorvendo das pessoas com as quais convive, sua essência cultural, também isto o ocorre com as organizações. Levando-se em conta que estas, não são mais que conglomerados de indivíduos com objetivos em comum, e estes mesmos indivíduos possuidores de sua própria carga cultural, tende-se a crer que as organizações criem então sua própria cultura e universo simbólico, uma extensão da miscigenação da cultura dos seus colaboradores, adaptada as suas necessidades mercadológicas. Essa citada cultura organizacional é moldada e delimitada por toda a sociedade organizacional, então, pois apesar dos principais valores da sociedade organizacional se manterem ocultos, estes mesmos valores podem se mostrar extremamente desestimulantes a certos projetos que vão de encontro a eles.
Temos assim, um cenário de sociedade organizacional, que se exemplifica por as pessoas viverem em meio a organizações, sejam privadas, do terceiro setor e até mesmo familiares, e estas organizações influenciarem em seus modos e estilos de vida. Havendo uma simbiose cultural, entre sociedade e organizações.
Por ser em sua essência, uma cultura influenciada e influenciável ao meio, as organizações podem ser analisadas conforme o estado de desenvolvimento da sociedade na qual está inserida, e sendo a cultura diferente de sociedade para sociedade, podem-se prever variações na cultura organizacional numa multinacional ou até mesmo numa organização sediada em diferentes regiões de um país. Acompanhando tal raciocínio, é possível se chegar a conclusão de que tanto dentro de uma organização como entre diferentes organizações, existem vários tipos de culturas e sub-culturas, distribuídas geograficamente, não pela geografia especificamente mas pelo contexto cultural. E estas culturas únicas ou várias sub-culturas dentro de mesma empresa podem ser explicadas pela coesão ou fragmentação dos indivíduos desta imprensa e se estes vêem a empresa como um organismo ou como segmentações onde cada pequeno grupo segue suas próprias visões.
Estes padrões, tanto os integrados como os fragmentados, se bem suportados por normas e rituais, podem tomar uma influência decisiva na habilidade global da organização lidar com as mudanças que encara.
Como unidade cultural, assim como “os seres humanos vivem num universo de significação” (Philippe D’ Iribarne, 1988), as organizações possuem seus próprios universos simbólicos, de regras, e comportamentos, que são facilmente identificáveis pelos agentes internos e externos da empresa. Esta cultura organizacional possui quatro esferas analíticas: a ideológica que trata de doutrinas ou idéias pré-fabricadas, mas que servem como guia orientacional, a cientifica trazendo soluções testadas e comprovadas por experiências, a artística se guiando pela criatividade e inspiração e a técnica que representa o know-how, ou o modo mais adequado de se executar um procedimento. Esse conjunto é a essência da organização, e se modifica durante o tempo, se adaptando as mudanças, ou se não, deixando de existir.


Ps.: Não me pessam pra explicar, nem repetir. Juro que não consigo.